16 de nov de 2009

Lula recebe proposta para plano nacional de banda larga dia 24

O presidente Luis Inácio Lula da Silva recebe até dia 24 deste mês esboço de um projeto para ampliar o acesso à Internet em alta velocidade no país, afirmou o coordenador de inclusão digital da Presidência, Cezar Alvarez.
» Brasil terá 165 milhões de acesso em banda larga até 2018
» Ministro: universalização da banda larga deve seguir exemplo do SUS
» Presidência deve receber propostas para banda larga nacional


"O Estado será regulador do serviço porque esse é um dever, e o governo quer fazer esse papel de regulador para tornar a banda larga acessível a diferentes camadas da população", afirmou Alvarez durante evento em Brasília, segundo a Agência Brasil.
No final de outubro, o ministro das Comunicações, Hélio Costa, afirmou à Reuters que o plano nacional de banda larga terá necessidade de investimentos de R$ 10 bilhões numa primeira etapa. Segundo ele, o governo está trabalhando para promover licitações de frequências de acesso rápido à Web no primeiro trimestre de 2010.
O ministro afirmou na ocasião que o governo pretende oferecer frequência usada para banda larga com tecnologia WiMAX. Presente no mesmo evento que Alvarez, o presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Ronaldo Sardenberg, afirmou que o governo tem expectativa do país ampliar o número de acessos à internet rápida para 165 milhões até 2018. Atualmente, segundo ele, existem atualmente 15 milhões de acessos no país.
Sardenberg afirmou que a previsão de investimentos para o setor é de R$ 250 bilhões até 2018 e será necessário incentivar concorrência entre as empresas fornecedoras do serviço. De acordo com ele, o setor responde atualmente por mais de 6 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro.
"Não podemos nos conformar com um hiato digital no país, com serviços de telecomunicações muito avançados em determinadas regiões e muito atrasados em outras", disse Sardenberg, segundo a Agência Brasil.
Atualmente, a oferta de banda larga está concentrada no Sudeste, sendo oferecida por empresas de TV a cabo e operadoras de telefonia.
Reuters

0 comentários:

Postar um comentário